sexta-feira, 2 de março de 2018

Dias de Tempestade


Mulher-vampiro, Edvard Munch


rara a semana
que não acabe em avalanche
o ruído antecede a derrocada
aviso para a fuga impossível
o corpo congela
o mundo deixa-se cair
sobre a nossa cabeça
a luz branca
a esclarecer tudo
num momento
uma vista sobre o futuro

tal como o cão
que se vai curar
com o seu  próprio pelo
a minha queda por dentro
é a sutura
retendo a montanha
que tenta desembocar
e nos esmaga e desmonta
o corpo congela
e endurece
como um fel quente
que se oferece
para amenizar
o epiléptico

dizem que há um género
de demónio
que só o jejum
há-de expulsar

Sem comentários:

Enviar um comentário