quinta-feira, 14 de março de 2019

Espaço Cidadão




D. Júlia faz o gosto ao dedo
e mostra o pulso na cadeira
do seu compasso de espera
frente à segurança social
doí-lhe como um raio
irradia
a descascar metáforas
ou manejando a panela de pressão
braço acima ombro arcaico
baço resmungando
o diapasão de um carapau médio
enterrado na goela obrigara
a visita ao Santa Maria
médicos avisados
dão-se ao luxo no Hospital da Luz
onde a conta é preço certo
e anda pela hora da morte
adiada ufa ainda não foi desta
os números deslizam devagar
as senhas progridem
no trajeto da obviedade
passa uma jovem moça inquieta
é jornalista Júlia avança
do desporto e das bonitas
que hoje em dia até essas
são inteligentes
mudado que tudo está
Salazar vem à baila
raro o português que não carregue
às costas o passado

Sem comentários:

Enviar um comentário